18 de julho de 2024
Compartilhe:

Mesmo com pedido de vista do desembargador eleitoral Julio Jacob Júnior, o Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) segue, nesta segunda-feira (8), o julgamento do senador Sergio Moro. Após a solicitação por mais tempo de análise, o presidente da Corte, Sigurd Roberto Bengtsson, perguntou aos desembargadores se eles queriam adiantar seus votos e seguir o julgamento.

Guilherme Frederico Hernandes Denz optou pela antecipação e acompanhou o relator, deixando o placar em 3 a 1 pela absolvição de Moro.

Os desembargadores analisam em plenário duas ações, de autoria do PT e do PL, que pedem a cassação e inelegibilidade de Moro. As acusações são de abuso de poder econômico, uso indevido de meios de comunicação ao longo da campanha eleitoral de 2022 e caixa dois.

Na retomada desta terceira sessão de julgamento, a desembargadora Claudia Cristofani, que pediu vista da ação na última quarta-feira (3/4), iniciou seu voto acompanhando o relator do caso pela absolvição de Sergio Moro. O desembargador Luciano Carrasco Falavinha proferiu seu voto na primeira sessão para indeferir as ações.

José Rodrigo Sade divergiu do relator na segunda sessão de julgamento, e votou pela cassação e inelegibilidade de Moro. Com o voto de Claudia Cristofani, o placar ficou em 2 a 1 pela absolvição do senador. Com a antecipação de Denz, está em 3 a 1.

Os desembargadores ainda seguem votando como antecipação após o pedido de vista, que suspende o julgamento. Para ser cassado ou absolvido, Moro precisa ter um placar de pelo menos 4 a 3. Após o resultado, ainda cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), independentemente do resultado.

Terceiro dia de julgamento

Nas ações, Moro é acusado pelo PT, de Luiz Inácio Lula da Silva, e pelo PL, de Jair Bolsonaro, de ter feito campanha antecipada e ter sido beneficiado com recursos de maneira irregular.

O senador se filiou ao Podemos em 2021 para ser candidato à Presidência da República. Depois, se lançou a deputado federal por São Paulo. Próximo ao prazo final para troca partidária, já em 2022, vinculou-se ao União Brasil, partido que apresentou a candidatura ao Senado Federal, no Paraná.

Fonte: https://oimparcial.com.br/noticias/2024/04/julgamento-de-moro-tem-3-a-1-contra-cassacao/