17 de julho de 2024
Compartilhe:

Nesta quinta-feira (11), o Google soltou um doodle animado que celebra os 100 anos do nascimento do físico e professor brasileiro César Lattes. Lattes descobriu a partícula subatômica méson pi, também conhecido como píon, e suas descobertas auxiliaram na compreensão das forças nucleares.

Segundo a página de doodles do Google, a homenagem ao físico brasileiro está aparecendo na página da gigante das buscas no Brasil, no Reino Unido, na Irlanda e no México.

Google Doodles: César Lattes e sua importância para a ciência

  • Nascido em 11 de julho de 1924 em Curitiba (PR), César Lattes se formou em 1943 na Universidade de São Paulo (USP) como único físico da turma;
  • Quando tinha pouco mais de 20 anos, passou a estudar raios cósmicos, conhecidos também como partículas de alta energia do Espaço;
  • Ele compreendeu que, ao adicionar boro a placas fotográficas, obteria imagem mais clara das partículas se decompondo, o que lhe permitiu ver cada próton;
  • Em teste realizado por um pesquisador no topo de uma montanha, visando alcançar mais raios cósmicos, a placa modificada por Lattes mostrou rastros de uma partícula até então não observada: descobriu-se, então, os píons.
César Lattes em 1954 (Imagem: Arquivo Nacional, Domínio público)

Leia mais:

  • Como fazer um prompt para ChatGPT e outras IAs?
  • Sem espaço no celular para fotos do Ano Novo? Confira dicas para liberar a memória
  • Google vai te avisar se anúncio político tem conteúdo gerado por IA

Píons e a polêmica do Nobel

Os píons, ou mésons pi, são ainda menores que os átomos e se formam quando a matéria vinda do Espaço colide com nossa atmosfera. Além de descobri-los, Lattes também compreendeu que há píons mais pesados que outros.

O feito rendeu ao físico e sua equipe de pesquisa o Prêmio Nobel de Física de 1950. Contudo, oficialmente, ele foi entregue para Cecil Powell, que foi considerado o líder do estudo e, até 1960, o Comitê do Nobel só premiava os líderes das pesquisas. O artigo foi publicado na Nature.

Em entrevista concedida ao Jornal da Unicamp em 2001, Lattes falou sobre o episódio:

Sabe por que eu não ganhei o prêmio Nobel? Em Chacaltaya, quando descobrimos o méson pi, se publicou: Lattes, [Giuseppe] Occhialini e [Cecil] Powell. E o Powell, malandro, pegou o prêmio Nobel para ele. Occhialini e eu entramos pelo cano. Ele era mais conhecido, tinha o trabalho da produção de pósitrons em 1933. Depois, fui para a Universidade da Califórnia, onde foi inaugurado o sincrocíclotron em 1946. Já era 1948 e estava produzindo mésons desde que entrou em funcionamento em 1946, tinha energia mais que suficiente. Então, detectamos, [Eugene] Garden e eu, o méson artificial, alimentando a presunção de retirar do empirismo todas as pesquisas que se relacionassem com a libertação da energia nuclear. Sabe por que não nos deram o Nobel? Garden estava com beriliose, por ter trabalhado na bomba atômica durante a Guerra, e o berílio tira a elasticidade dos pulmões. Morreu pouco depois e não se dá o prêmio Nobel para morto. Me tungaram duas vezes.

César Lattes, em entrevista ao Jornal da Unicamp em 2001

Lattes voltou ao tema em sua última entrevista, concedida à revista Superinteressante em 2005:

Apesar de a comissão julgadora ser formada por ingleses, acredito que não foi minha nacionalidade que pesou na decisão do vencedor. Tanto na descoberta do méson pi, em 1946, como na sua criação artificial, em 1948, tive colaboração do Giuseppe Occhialini. Quem deveria ter ganhado era ele. E, em 1950, quem levou o prêmio foi o Cecil Powell, que também participou do trabalho. Mas deixa isso para lá. Esses prêmios grandiosos não ajudam a ciência.

César Lattes, em entrevista à revista Superinteressante, em 2005

Posteriormente, ele virou professor de física na USP e, depois, na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Fez campanha para mais financiamento fornecido pelo governo para a ciência nacional, levando à criação do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF) e onde Lattes foi diretor científico.

Lá, orientou alunos com teses de pós-graduação em emulsão nuclear (detecção de partículas) e geocronologia (datação de rochas) no Brasil, Estados Unidos e Itália.

Apesar de, oficialmente, não ter levado o Nobel pela descoberta do píon, Lattes conquistou diversas premiações, como o Prêmio Einstein da Academia Brasileira de Ciências e uma Ordem do Mérito do Brasil e da Itália. Ainda foi indicado ao Nobel em sete oportunidades, entre 1949 e 1954.

Doodle interativo homenageia César Lattes, que deu grandes contribuições à física (Imagem: Reprodução/Google)

O físico brasileiro também é um dos principais responsáveis pela criação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), fundada em 1951 que visa incentivar a pesquisa no Brasil.

O CNPq, inclusive, homenageou Lattes nomeando sua plataforma de currículos virtual com seu nome. A Plataforma Lattes reúne bases de dados curriculares, grupos de pesquisa e instituições das áreas de ciência e tecnologia atuantes no Brasil.

Falecido em 8 de março de 2005, aos 80 anos, César Lattes abriu caminho para a física experimental na América Latina e no mundo todo com suas contribuições e descobertas.

O post Google homenageia físico brasileiro César Lattes com doodle apareceu primeiro em Olhar Digital.

Fonte: https://olhardigital.com.br/2024/07/11/internet-e-redes-sociais/google-homenageia-fisico-brasileiro-cesar-lattes-com-doodle/