17 de julho de 2024
Compartilhe:

 

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) retomou nesta segunda-feira (8) o julgamento do senador Sergio Moro (União Brasil). Na sessão, o desembargador Guilherme Frederico Hernandes Denz optou por adiantar seu voto e acompanhou o relator, resultando em um placar de 3 a 1 pela absolvição de Moro.

Sob a presidência de Sigurd Roberto Bengtsson, o julgamento foi suspenso, com novo pedido de vista, mas deverá ser retomado nessa terça-feira (9).

As duas ações em análise, movidas pelo PT e pelo PL, acusam Moro de abuso de poder econômico, uso indevido de meios de comunicação durante a campanha eleitoral de 2022 e caixa dois.

Na retomada do julgamento, a desembargadora Claudia Cristofani iniciou seu voto acompanhando o relator, enquanto o desembargador Luciano Carrasco Falavinha já havia proferido voto para indeferir as ações na primeira sessão. José Rodrigo Sade divergiu do relator na segunda sessão, votando pela cassação e inelegibilidade de Moro.

Com o voto de Claudia Cristofani, o placar ficou em 2 a 1 a favor da absolvição do senador. A antecipação do voto de Denz resultou no placar atual de 3 a 1.

Apesar do pedido de vista, os desembargadores continuam a votar antecipadamente. Para que Moro seja cassado ou absolvido, é necessário um placar mínimo de 4 a 3. Após o resultado, ainda cabe recurso ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), independentemente do desfecho.

Com informações de Metrópoles