18 de julho de 2024
Compartilhe:

As sociedades antigas foram capazes de prever com precisão eclipses lunares e até eclipses solares totais, como o que ocorrerá sobre a América do Norte neste 8 de abril de 2024. A maioria destes povos associavam o que acontecia no céu com crenças religiosas. É o caso dos maias.

Leia mais

O que o fenômeno representava para os maias?

Há milênios, dois eclipses solares foram avistados em apenas seis meses na área do atual México. Estes acontecimentos fizeram com que o povo que habitava a região realizasse uma série de atividades em homenagem aos deuses.

No sistema de crenças dos maias, o pôr do sol era associado à morte e à decadência. Todas as noites, o deus do sol, Kinich Ahau, fazia a perigosa jornada através de Xibalba, o submundo, para nascer de novo ao nascer do sol. Os eclipses solares foram vistos como um indicativo de que o Sol estaria “quebrado”, um sinal de possível destruição cataclísmica.

Códice de Dresden (Imagem: reprodução/Biblioteca Estadual e Universitária da Saxônia – Dresden)

Kinich Ahau era associado à prosperidade e à boa ordem. Seu irmão Chak Ek – a estrela da manhã, que hoje conhecemos como o planeta Vênus – foi associado à guerra e à discórdia. Eles viviam lutando pela supremacia.

Sua batalha podia ser testemunhada nos céus. Durante os eclipses solares, planetas, estrelas e às vezes cometas podem ser vistos durante a totalidade. Se posicionada corretamente, Vênus brilhará intensamente perto do Sol eclipsado, o que os maias interpretaram como Chak Ek no ataque. Todas esses detalhes fazem parte do Códice de Dresden, um dos quatro textos maias antigos remanescentes e que data do século XI. 

Com Kinich Ahau (o Sol) escondido atrás da Lua, os maias acreditavam que ele estava morrendo. Rituais de renovação eram necessários para restaurar o equilíbrio e colocá-lo de volta em seu curso adequado. Por isso, a nobreza realizava sacrifícios de sangria, perfurando seus corpos e coletando as gotas de sangue para queimar como oferendas ao deus sol.

O “sangue de reis” era a mais alta forma de sacrifício, destinado a fortalecer Kinich Ahau. Segundo os maias, os deuses criadores tinham dado seu sangue e o misturaram com massa de milho para criar os primeiros humanos. As informações são do Space.com.

Eclipse solar total no céu
Ao longo do tempo, o Homem associou eclipses solares a crenças e misticismo (Imagem: Martin Junius)

O eclipse

Fonte: https://olhardigital.com.br/2024/04/08/ciencia-e-espaco/eclipse-solar-total-maias-sacrificavam-realeza-para-fortalecer-o-sol/