18 de julho de 2024
Compartilhe:

Uma das estrelas mais intrigantes da Via Láctea acaba de ficar ainda mais estranha. Trata-se de um magnetar chamado XTE J1810-197, que foi descoberto em 2003 disparando ondas de rádio. 

Em 2008, a atividade parou, e a estrela praticamente desapareceu de vista. No entanto, em 2018, ela despertou novamente. Só que, desta vez, havia algo muito estranho na radiação que estava emitindo.

O que você vai saber aqui:

  • O comportamento de um magnetar conhecido por XTE J1810-197 chamou a atenção dos cientistas;
  • Uma equipe da Austrália e outra da Alemanha investigaram por que essa estrela “adormeceu” por 10 anos e começou a emitir rajadas rápidas de rádio de maneira incomum após despertar;
  • Magnetares originam-se de estrelas massivas que, ao morrerem em explosões de supernovas, deixam para trás núcleos colapsados conhecidos como estrelas de nêutrons;
  • São as estruturas mais magnéticas do Universo, com campos cerca de mil vezes mais intensos do que os de uma estrela de nêutrons comum.
Representação artística de um magnetar. Crédito: Carl Knox, OzGrav/Swinburne University of Technology © Carl Knox, Universidade de Tecnologia OzGrav/Swinburne

Cientistas analisaram essas ondas de rádio em dois artigos distintos, publicados esta semana na revista Nature Astronomy – que você pode acessar aqui e aqui. Os resultados mostram que essas emissões eletromagnéticas de baixa frequência são distorcidas de uma maneira nunca antes observada e que a estrela parece oscilar.

Ao contrário dos sinais de rádio que vimos de outros magnetares, este está emitindo enormes quantidades de polarização circular em rápida mudança.

Marcus Lower, astrofísico da Organização de Investigação Científica e Industrial de Patrimônio Comum (CSIRO), na Austrália, que liderou o primeiro artigo

“Esperávamos ver algumas variações na polarização da emissão desse magnetar, pois sabíamos isso de outros magnetares”, explica Gregory Desvignes, do Instituto Max Planck de Radioastronomia (MPIfR), na Alemanha, que liderou o segundo artigo. “Mas não esperávamos que essas variações fossem tão sistemáticas, seguindo exatamente o comportamento que seria causado pela oscilação da estrela”.

Magnetares são as estrelas mais enigmáticas do Universo

As estrelas são todas únicas à sua maneira, mas os magnetares se destacam como os mais enigmáticos. Originam-se de estrelas massivas que, ao morrerem em explosões de supernovas, deixam para trás núcleos colapsados conhecidos como estrelas de nêutrons. Esses objetos são incrivelmente densos, com até 2,3 vezes a massa do Sol comprimida em uma esfera de apenas 20 km de diâmetro.

O que torna os magnetares tão especiais é o seu campo magnético extremamente poderoso. São as estruturas mais magnéticas do Universo, com campos cerca de mil vezes mais intensos do que os de uma estrela de nêutrons comum e um quatrilhão de vezes mais fortes do que o campo magnético da Terra.

Essa intensidade magnética resulta em comportamentos peculiares. Acredita-se que a luta constante entre o campo magnético e a gravidade de um magnetar cause tremores gigantes, emitindo ondas de rádio conhecidas como rajadas rápidas de rádio (FRBs).

A atividade sem precedentes observada pelos cientistas em XTE J1810-197 pode oferecer novas perspectivas sobre essas intrigantes estrelas.

Renderização artística de um magnetar precessante com um campo magnético torcido e seu feixe de rádio apontando para a Terra. Crédito: © Gregório Desvignes / MPIfR
© Gregório Desvignes / MPIfR

Leia mais:

  • Canibalismo garante a juventude de estrelas do coração da Via Láctea – mas, pode matá-las cedo
  • Hubble flagra nascimento de nova estrela em impressionante show de luzes cósmicas
  • Entenda como estrelas vizinhas à Terra mudaram órbita do planeta

Cientistas analisaram polarização do objeto

As equipes de Lower e Desvignes estudaram a luz emitida pelos magnetares, observando sua polarização. A polarização é a orientação preferencial da oscilação da luz que chega até nós. No caso dos magnetares, sua luz é polarizada devido ao forte campo magnético que atravessa para alcançar a Terra.

Enquanto a luz dos magnetares normalmente flui de forma linear, com uma pequena quantidade de polarização circular, o XTE J1810-197 mostrou grandes quantidades de luz polarizada circularmente. Isso pode ser explicado pela presença de um plasma superaquecido acima do polo magnético do magnetar, atuando como um filtro polarizador.

Os cientistas também notaram uma mudança na orientação do magnetar em relação à Terra, indicando uma possível oscilação de movimento semelhante a um pião. Essa descoberta sugere a presença de uma ruptura na superfície da estrela, que pode influenciar sua precessão e produzir partículas superaquecidas no campo magnético.

Esses fenômenos podem lançar luz sobre a estrutura interna das estrelas de nêutrons, contribuindo para a compreensão das matérias mais extremas do Universo.

O post Estrela magnética desperta de “sono” de 10 anos e age de forma estranha apareceu primeiro em Olhar Digital.

Fonte: https://olhardigital.com.br/2024/04/10/ciencia-e-espaco/estrela-magnetica-acorda-apos-10-anos-e-age-de-forma-estranha/